Feira de Santana
+30...+30° C
Dólar:   R$ 4,146
Euro:   R$ 4,841
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Feeds

Ciência e Tecnologia

todas as notíciasseta

Pesquisa apresenta bioinseticida contra o aedes aegypti

Pesquisa baseada na ecologia aplicada, fundamentada pelos requisitos econômicos, ecológicos e toxicológicos utilizou substâncias naturais para limitar a determinada população de insetos-praga


21/09/2019 às 05:48h

Pesquisa apresenta bioinseticida contra o aedes aegypti
Crédito: Reprodução

Encontrar uma alternativa simples e barata para controle do mosquito da dengue em zonas pobres e com riscos de epidemias de arboviroses foi a principal motivação do estudo de Layse Emanuelle Reis de Lima, aluna do Programa de Pós-graduação em Ecologia e Evolução da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs).

 

Juntamente com o orientador Gilberto Mendonça, professor doutor do Departamento de Biologia, desenvolveu uma pesquisa baseada na ecologia aplicada, fundamentada pelos requisitos econômicos, ecológicos e toxicológicos utilizando substâncias naturais para limitar a determinada população de insetos-praga e minimizar os efeitos nocivos sobre as pessoas e o ambiente. A pesquisa emanou em um inseticida do extrato aquoso da semente de Nim (ou neem) que pode ser utilizado como método alternativo e prático para o controle das larvas de Aedes, pois sua produção é fácil (artesanal), rápida e de baixo custo.

 

"Para isso nós testamos formulações do bioinseticida Neem como método de controle alternativo do mosquito transmissor das arboviroses, e nossa meta era conseguir uma alternativa simples, de baixo custo, e com fácil produção. Basicamente procurávamos uma técnica viável para o controle do mosquito em localidades com pouco acesso a métodos tradicionais, seja por dificuldades logísticas de aquisição ou por questões financeiras como o custo do produto convencional", cientificou Layse sobre o desenvolvimento do inseticida.

 

A mestranda encontrou motivação através do centro de controle de zoonose de Santo Amaro, onde trabalhou. Ela observou que durante as visitas domiciliares a maioria dos moradores acumulavam água em diversos tipos de criadouros, e que mesmo realizando a eliminação deles quando voltavam depois de meses já existiam novos criadouros, constatando um ciclo vicioso no acúmulo de água. Layse ressalta que em muitos casos existe realmente a necessidade de manter água em determinados reservatórios, pois o abastecimento de água em certas localidades não é diário.

 

A pesquisadora identificou outro problema na prevenção das doenças transmitidas pelo temido mosquito, essencialmente à população carente, o alto custo de inseticidas. "O nim é uma planta com poderes inseticidas já comprovados e há no mercado algumas marcas comerciais do óleo da planta, mas nem sempre com preços acessíveis às comunidades, então testamos alternativas ao produto comercial", informou.

 

O estudo produzido em condições laboratoriais, derivou na mortalidade de até 76,6% das larvas, por meio do extrato aquoso das sementes. Os desenvolvedores estão contentes com os resultados e esperançosos que essa tecnologia traga benefícios sociais e ambientais.

REPORTAR ERROREPORTAR ERRO

PM Santo Estevão

TVGeral

Venha viver essa experiência! Quem corre é + feliz!
Publicidade
Bahia Aqui é Trabalho 1019
Academia First
Elo Engenharia
Cruzeiro do Sul
Vilage
PMFS Outubro Rosa 2019
First
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia
Ornamentação e Decoração de Festas