Feira de Santana
+30...+30° C
Dólar:   R$ 4,146
Euro:   R$ 4,841
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Feeds

FEIRA 186 ANOS

todas as notíciasseta

Nossos prefeitos - os feirenses e os de coração

Chama atenção o expressivo número de líderes políticos que mesmo não tendo nascido nesta cidade assumiram a chefia do poder executivo por decisão soberana do eleitor


18/09/2019 às 11:48h

Nossos prefeitos - os feirenses e os de coração
Crédito: Reprodução

Por Adilson Simas


Tomando por base o embate de 1947, o primeiro pós redemocratização e da nova constituição, chama atenção o expressivo número de líderes políticos que mesmo não tendo nascido nesta cidade assumiram a chefia do poder executivo por decisão soberana do eleitor.


No momento em que todos os feirenses, “nato e de coração”, - usando aqui uma expressão do ex-prefeito João Durval, comemora mais um “Dia da Cidade” vale a pena uma nostálgica viagem no tempo sobre o assunto.


Nas primeiras disputas foram eleitos os filhos da terra – Aguinaldo Soares Boaventura (1947), Almáchio Alves Boaventura (1950), João Marinho Falcão (1954), Arnold Ferreira da Silva (1958), Francisco José Pinto dos Santos (1962), João Durval Carneiro (1966) e Newton da Costa Falcão (1970). Vale lembrar que com o afastamento de Francisco Pinto em 1964 pelo golpe militar, foi nomeado prefeito o feirense Joselito Amorim.


Se naquele tempo Feira de Santana já era a maior cidade do Estado depois da Capital, a verdade que na década de 50 a sua população somava apenas 107.205 habitantes, com a grande maioria – 72.928, morando na zona rural.


Só 20 anos depois, na década de 70 o número de habitantes atingiu 190.076. A população da cidade subiu para 134.263 enquanto que a zona rural baixou para 55.313. O município passou a ter duas zonas eleitorais – uma para os distritos, aumentou consequentemente o número de juízes cuidando das eleições e a sessões eleitorais antes concentradas no centro, começaram a ser instaladas também nos bairros.

 

 


Ainda sobre os prefeitos citados acima, todos nascidos na cidade, duas observações se fazem necessárias. Por força da legislação eleitoral da época, mesmo eleitos pelo sufrágio popular, Aguinaldo Boaventura (1948) governou menos de 3 anos e Newton Falcão, exatos 2 anos.


Com o advento dos prefeitos não nascidos em Feira de Santana, que começa com a vitória de José Falcão da Silva em 1972, a chamada Princesa do Sertão passa a viver um novo tempo com o progresso e desenvolvimento ganhando maior dimensão. A renovação dos seus mandatos é o testemunho maior do quanto foram aprovados pela população.


Nascido na zona rural do vizinho São Gonçalo dos Campos, José Falcão foi eleito prefeito pela primeira vez em 1972, a segunda em 1982, e a terceira vez na disputa de 1996. Faleceu em agosto de 1997 no exercício do terceiro mandato, concluído por Clailton Mascarenhas.


Natural de Macajuba, Colbert Martins da Silva foi eleito pela primeira vez em 1976, substituindo José Falcão e a segunda vez em 1989, novamente substituindo José Falcão. Chama a atenção o fato dos dois políticos, feirenses apenas “de coração”, terem se reversado no comando da cidade ao longo de 20 anos, incluindo os oito meses que José Raimundo chefia o executivo, por renúncia de Colbert.


Prefeito pela primeira no pleito de 1966 e tendo em 1982 sido eleito governador da Bahia, nas eleições de 1992, o feirense João Durval conquistou seu segundo mandato. Ao partir para outras batalhas e por obediência a legislação eleitoral, comandou apenas 15 meses do quatriênio. Para comandar os 33 meses restantes, a câmara empossou José Raimundo, outro feirense apenas “de coração”.


Quatro anos depois, na última eleição do milênio, em 2000, o eleitorado feirense entrega o comando do município a outro feirense apenas “de coração”, José Ronaldo de Carvalho, nascido na cidade de Paripiranga. Na disputa seguinte, em 2004, Ronaldo conquista seu segundo mandato.


Sem poder pleitear mais um quatriênio por força na legislação eleitoral, na refrega político de 2008, o chamado “feirense nato” volta ao poder com a vitória de Tarcizio Pimenta Júnior.


Por último, José Ronaldo iniciou nova série de dois mandatos, o primeiro nas eleições de 2012 e segunda em 2016. A exemplo do que já havia acontecido com João Durval, José Ronaldo renuncia com o mesmo objetivo 16 meses depois de assumir. É substituído pelo atual prefeito o feirense nato Colbert Martins Filho, cujo pai, como já citado, formava no grupo dos feirenses “de coração”.

REPORTAR ERROREPORTAR ERRO

PM Santo Estevão II

TVGeral

6ª Copa WH7 - 27/10/2019 - Profissional AO VIVO - Tvgeral.com.br
Publicidade
Academia First
SECOM - BAHIA AQUI É TRABALHO 1119
Vilage
PMFS semana de empreendorismo
First
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia
Ornamentação e Decoração de Festas