Feira de Santana
+30...+30° C
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Feeds

Economia

todas as notíciasseta

FIPE: preço dos medicamentos sobe 1,73% em maio

Índice acumula alta de 18,50% em 12 meses


10/06/2021 às 05:44h

FIPE: preço dos medicamentos sobe 1,73% em maio
Crédito: Divulgação

Os preços dos medicamentos vendidos aos hospitais no Brasil sofreram alta de 1,73% em maio, de acordo com o Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H), indicador inédito criado pela Fipe em parceria com a Bionexo - health tech líder em soluções digitais para gestão em saúde.

 

A alta foi alavancada pelo avanço nos preços de medicamentos atuantes no sistema nervoso (+12,93%) e musculesquelético (+12,55%). Outros itens que tiveram alta foram órgão sensitivos (+3,74%), sangue e órgãos hematopoiéticos (+2,84%), preparados hormonais sistêmicos (+1,93%), aparelho cardiovascular (+0,76%), aparelho geniturinário e hormônios sexuais (+0,64%) e imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (+0,02%).


Comparativamente, a variação do IPM-H em maio superou o comportamento do IPCA/IBGE de maio (+0,83%) e da taxa média de câmbio (-4,87%), mas foi inferior ao IGP-M/FGV (+4,10%) no período.


Em 2021, o IPM-H já acumula uma alta de 15,62%. Contribuem para essa variação as altas nos seguintes grupos: sistema nervoso (+37,54%), sistema musculesquelético (+25,41%), sangue e órgãos hematopoiéticos (+21,74%), aparelho digestivo e metabolismo (+15,30%), anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (+14,42%), aparelho cardiovascular (+13,00%), entre outros.


Nos últimos 12 meses encerrados em maio, a elevação registrada no índice é de 18,50%. Nesse recorte ampliado, os grupos que mais contribuíram para a alta do IPM-H foram: sistema nervoso (+56,72%), aparelho digestivo e metabolismo (+44,49%), sistema musculesquelético (+33,48%), preparados hormonais sistêmicos (+27,61%) e sangue e órgãos hematopoiéticos (+27,13%).


Em contraste, os grupos com as menores variações incluíram: anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (+1,14%), órgãos sensitivos (+7,48%), aparelho respiratório (+7,71%), agentes antineoplásicos/quimioterápicos (+9,55%), imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (+10,23%) e medicamentos atuantes no aparelho geniturinário e hormônios sexuais (+10,59%).


Cabe lembrar que os grupos com as maiores altas incluem medicamentos utilizados em casos graves de COVID-19, como é o caso da: norepinefrina (terapia cardíaca e suporte vital), fentalina (analgésico), propofol (anestésico), midazolam (hipnótico/sedativo/tranquilizante), omeprazol e pantoprazol (antiácidos utilizados no tratamento de dispepsia/úlcera gástrica e outros distúrbios gastrointestinais).


Sobre o IPM-H


O Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H) é uma parceria entre a Fipe e a Bionexo, com o objetivo de disponibilizar informações inéditas e de interesse público relacionadas à área de saúde, com foco no comportamento de preços de medicamentos transacionados entre fornecedores e hospitais no mercado brasileiro. O IPM-H é elaborado com base nos dados de transações realizadas desde janeiro de 2015 através da plataforma Bionexo, por onde são transacionados mais de R﹩ 12 bilhões de negócios no mercado da saúde por ano, o que representa cerca de 20% de tudo que é transacionado no mercado privado nacional.


A health tech conecta mais de duas mil instituições de saúde a mais de 20 mil fornecedores de medicamentos e suprimentos hospitalares. A cada mês e para cada grupo de medicamentos, a FIPE calcula o índice de variação do seu preço em relação ao mês de referência, levando em consideração algumas variáveis que podem ser relevantes para determinar o preço das negociações, incluindo: (i) quantidade de produtos transacionada; (ii) distância geográfica entre hospitais e fornecedores.


Os medicamentos são agrupados em 13 grupos terapêuticos (classificação da ATC*) e ponderados de acordo com uma cesta de valor total transacionado na plataforma Bionexo no ano anterior. O IPM-H consolida o comportamento dos índices dos preços de cada grupo terapêutico, também ponderados pelo valor transacionado do grupo na plataforma.


Embora possam estar correlacionados, o comportamento do IPM-H não mensura o comportamento dos preços de medicamentos em farmácias, isto é, nos preços ao consumidor final (segmento varejo). Além disso, o IPM-H não é uma medida de variação dos custos dos hospitais e/ou planos de saúde, que envolvem também gastos com equipamentos, procedimentos, materiais recursos humanos, protocolos de tratamento/atendimento e segundo frequência de uso.

REPORTAR ERROREPORTAR ERRO

Gov Bahia

TVGeral

Live da Esperança. Comandada pelo Frei Mário Sérgio
Publicidade
ENS
Gov Bahia
ENS
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia
Ornamentação e Decoração de Festas