Feira de Santana
+30...+30° C
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Feeds

Artigos

todas as notíciasseta

3 de maio: Dia mundial da liberdade de imprensa

O diretor da Associação Internacional de Jornais, Wan-Ifra diz que neste dia Mundial da Liberdade de Imprensa deve ser comemorado mais que nunca.


03/05/2020 às 12:10h

3 de maio: Dia mundial da liberdade de imprensa
Reprodução/ Instagram

Um bom jornalismo é feito para tempos como estes. Foram os bons jornalistas que garantiram que os nossos líderes foram fiscalizados, as suas políticas examinadas e as suas promessas serão mantidas, enquanto navegamos, nos próximos meses, para um retorno cauteloso ao otimismo.

 

Para marcar o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, devemos celebrar isto e reconhecer os sacrifícios dos profissionais dos media que garantem o fluxo diário gratuito de informações e esperam que os media independentes possam sobreviver financeiramente, para ajudar a levar-nos a tempos melhores.

 

Durante uma crise, o jornalismo é sem dúvida mais vital do que nunca. A pandemia de covid-19 certamente colocou os media independentes na linha da frente na guerra pelas informações verificadas, precisas e que podem salvar vidas - principalmente em países onde o governo vacilou, ou a resposta foi mais fraca.

 

Mas dizer que precisamos de jornalismo agora mais do que nunca mascara uma realidade que vale a pena denunciar, em voz alta e clara - especialmente quando comemoramos o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

 

O jornalismo independente é vital, dia após dia, para todos. Estejamos todos a enfrentar uma catástrofe global ou com preocupações mais locais, o serviço público dos media é essencial para entendermos o nosso mundo e tomarmos decisões.

 

Neste momento crítico, jornalistas e profissionais de media precisam do nosso apoio. As medidas tomadas em reação à pandemia de covid-19 acentuaram a precariedade financeira dos meios de comunicação mundiais, arriscando a sobrevivência do jornalismo independente e desafiando a segurança económica dos profissionais.

 

Veremos o que sobreviverá da nossa profissão - a profissão como a conhecemos hoje - depois desta crise. A paisagem mediática pode vir a ser muito diferente. A maneira como se procuram, produzem e consomem as notícias também.

 

Apesar da dolorosa e inevitável turbulência destes dias, devemos abraçar as oportunidades que surgem, as novas formas de trabalhar, fazer negócios e nosso relacionamento com o mundo e as pessoas ao nosso redor.

 

Uma coisa certamente prevalecerá, independentemente de quão diferente, quão difícil o futuro pareça. A própria alma da nossa profissão, nossa capacidade de conduzir o jornalismo - sem medo ou favor.

FONTE: Diário de Notícias
REPORTAR ERROREPORTAR ERRO

TVGeral

Live do Grupo DIBEMCOMAVIDA
Publicidade
Radio Geral 2
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia
Ornamentação e Decoração de Festas